Fundo Garantidor de Crédito (FGC) – A Segurança do Seu Capital

O Fundo Garantidor de Crédito (FGC), resumidamente, é uma entidade privada que fornece seguros a entidades financeiras. Veja da seguinte maneira: o FGC é uma rede protetora que segura as pontas quando o resto todo vai ao chão. Mas para tal “rede” existir, há um custo, que mais a frente mostraremos.

A história por trás do Fundo

quebra

Após várias quebras de mercado, depressões e crises financeiras viu-se a necessidade da criação de medidas de segurança para os valores existentes e pessoas envolvidas. No caso específico do FGC o foco é a manutenção da saúde financeira de instituições de crédito associadas, tais como bancos.

Uma vez que um banco é associado ao Fundo, seus correntistas e/ou investidores estão assegurados (até certo montante) contra quebra, falência e má gestão de tal instituição. O valor assegurado pelo Fundo Garantidor é definido pela regulamentação interna do órgão. Atualmente o valor assegurado pelo FGC é de até R$ 250.000,00 por pessoa, limitado ao saldo existente.

Como o fundo é financiado e os impactos de suas decisões

Os recursos do Fundo são obtidos através de contribuições feitas por seus associados mensalmente. Essas “mensalidades” são calculadas baseadas na quantidade de produtos e serviços movimentados por seus assegurados mês a mês. Todos esses valores são, em tese, estocados pelo fundo para “algum dia chuvoso”, caso algum de seus associados venha a necessitar de seus recursos para liquidar dívidas provenientes de falência múltipla.

As decisões sobre quanto o FGC garante em caso de falência têm grande influência nos investimentos de certos produtos. Veja por exemplo, a subida nos investimentos que muitos bancos experimentaram quando o Fundo decidiu aumentar sua garantia no LCI (Letra de Crédito Imobiliário), CDB (Certificado de Depósito Bancário), Poupança, entre outros em 2013, de R$ 70 mil para R$ 250 mil reais, o que inspirou mais segurança a esses investimentos. O mesmo não acontece com as Debêntures, por exemplo, que são uma espécie de dinheiro emprestado a juros para empresas. Esses produtos não são cobertos pelo Fundo, ou seja, não inspiram a mesma confiança do mercado. Sendo assim, existem poucas pessoas a se aventurar nesse tipo de investimento.

A consequência existencial do fundo

Todos os bancos associados como Banco do Brasil, Bradesco, Itaú e outros, depositam no fundo pela segurança de seus credores, mas suas taxas refletem essas contribuições mensais ao fundo. O valor de 0,0125% de TODOS os depósitos mensais dessas instituições são repassados ao fundo para garantir a liquidez coletiva de todos os associados. Esse montante a mais não é absorvido pelo banco, provavelmente ele vai para o investidor em forma de taxa bancária, encarecendo o valor das transações.

O Fundo em ação

segurança

O Fundo, sendo uma organização SEM FINS LUCRATIVOS, apenas acumula os valores repassados como seguro contra a quebra de seus associados. É um valor pequeno a investir pela segurança de seus ativos.

Por exemplo: veja a situação que o Banco Pan Americano enfrentou em 2010: foi um predicamento particularmente desagradável que se desenrolou com este banco quando foi comprovada uma fraude em seus livros, deixando muitos investidores de baixo e grande calibre apreensivos sobre sua situação. Porém, a tensão de mercado foi aplacada imediatamente uma vez que esta companhia tem seus ativos cobertos pelo Fundo Garantidor de Crédito.

A verdade é que sem o FGC muitas das operações financeiras que hoje ocorrem em nosso mercado doméstico, não seriam possíveis. No caso de investir mais de 100 mil reais sem garantia sólida, que o Fundo provê, seria um risco alto demais para pequenos e grandes investidores. A integridade do Fundo, diferentemente de muitas instituições, se mantém intocada desde sua fundação em 1995, o que dá uma forte sensação de segurança aos seus associados e clientes.

No site do Fundo Garantidor de Crédito existe uma lista com os investimentos assegurados pelo fundo e os que não são. Então fique atento e saiba onde investir.

Lista de investimentos garantidos* pelo FGC:

*Lista obtida em 02/02/2016.

“Títulos Públicos não são garantidos pelo FGC?”

NÃO. Títulos Públicos são garantidos pelo Tesouro Nacional.

Deu pra entender melhor como funciona o FGC? Qualquer dúvida basta me enviar uma mensagem !!!



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *